A Teoria da Relatividade - A Relatividade Restrita e a Relatividade Lógica.

2 - A Teoria da Relatividade
                                                  

A Relatividade de Einstein

(A Relatividade Restrita)


 

Albert Einstein estabeleceu a teoria da Relatividade em 1905. Era uma teoria tão revolucionária, mudando completamente a física, que não foi aceita pelos físicos pois seus conceitos pregavam verdadeiros disparates para a época, como a dilatação do tempo e a contração dos espaços. Só anos mais tarde, quando esta teoria começou a resolver os problemas relativos à luz que a física clássica não conseguia resolver, é que os físicos foram obrigados a aceitar a matemática desta teoria e com ela vieram as interpretações equivocadas.
         Muitos físicos até hoje têm dificuldades em aceitar plenamente esta teoria. Um deles, que foi o maior cientista brasileiro, César Lates, nunca aceitou esta teoria. Devido a essas interpretações, foi a teoria mais testada durante o século passado. Apesar de todos os experimentos feitos comprovarem a sua veracidade, até hoje os físicos estão sempre imaginando novas maneiras de testá-la. O último desses experimentos consiste na execução das esferas mais perfeitas já construídas, que foram mandadas para o espaço a fim de confirmar a matemática da Relatividade. Nenhum físico irá encontrar erro nesta teoria porque eles são procurados na matemática da Relatividade e esta matemática está correta.

A Relatividade Restrita é baseada:

Nos postulados:

1 – Postulado da Relatividade: as leis da física são as mesmas para observadores em todos os referenciais inerciais. Não existe referencial privilegiado.
2 – Postulado da velocidade da luz: a velocidade da luz no vácuo tem o mesmo valor c em todas as direções e em todos os referenciais inerciais.
Ela chega à existência da dilatação do tempo quando Einstein usa dois relógios na dedução da fórmula do tempo, um para Maria em movimento e outro para João parado em relação a esse movimento.

 

A Relatividade de Einstein foi deduzida do triângulo ABB1

 

Se a velocidade do trem de Maria for v = 0, significa que o trem está parado na estação. João parado fora do trem e Maria dentro do trem verão um fóton de luz ir da fonte até o espelho B com a velocidade c.
Se a velocidade do trem de Maria for v ≠ 0, Maria continuará vendo a mesma coisa, ou seja, o fóton ir de A até B com a velocidade c, enquanto João verá a luz indo de A até B1 com a velocidade c. Nesse mesmo tempo, João verá o espelho ir de B até B1.

Ao tentar resolver o triângulo ABB1, de lados E, D e L, onde:
E = trajetória do espelho, com velocidade v;
D = trajetória do fóton, com velocidade c, para Maria, independente da velocidade do trem;
L = trajetória do fóton para João.

Einstein não conseguiu fechá-lo, pois não é possível a trajetória do fóton, com a mesma velocidade, ter dois comprimentos diferentes, D e L, pois, para ele, o fóton tem a mesma velocidade tanto para Maria quanto para João.  A única solução possível foi fazer com que o tempo medido pelo relógio de Maria fosse menor do que o tempo medido pelo relógio de João, ou seja, o relógio de Maria anda mais devagar que o relógio de João.
Assim, como esse recurso, ele conseguiu fechar matematicamente o triângulo ABB1, chegando á fórmula do tempo , onde:
t0 = o tempo que a luz vai da fonte até o espelho medido pelo relógio de Maria, independente da velocidade do trem;
t = o tempo que o fóton vai da fonte até o espelho medido pelo relógio de João, quando o trem tem a velocidade v.

Interpretação da fórmula do tempo da Relatividade

Einstein, usando dois relógios na dedução da fórmula do tempo, interpretou que nesta fórmula o tempo t0 é menor que o tempo t porque o relógio de Maria, que marca o tempo t0, anda mais devagar que o relógio de João, que mede o tempo t. Com isso, ele acabava de estabelecer a dilatação real do tempo, que é a diferença na medida do tempo entre dois relógios quando um deles está em movimento e o outro parado em relação a esse movimento.

Velocidade da fonte

Na Relatividade Restrita a velocidade do fóton nunca é somada à velocidade de sua fonte. Ela é sempre constante c para qualquer observador.

 

 

Conseqüências da dilatação do tempo

 

A dilatação do tempo provoca a contração dos espaços e a existência da quarta dimensão. Essas deduções são puramente matemáticas. Einstein simplesmente afirma a existência da dilatação do tempo sem explicar como é possível o coração de uma pessoa em movimento bater mais devagar do que o de outra pessoa que está parada em relação a este movimento. E mais ainda, como é que o peso dessa pessoa aumenta tendendo para o infinito quando a sua velocidade tende para c. Além desses absurdos que não tem nenhuma explicação, e espessura de uma pessoa tende para zero quando a velocidade tende para c.
Esses contra-sensos é que fazem com que as pessoas tenham dificuldade em aceitar a existência da dilatação do tempo e suas conseqüências.

 

Credibilidade

Os vários experimentos feitos provaram a veracidade da Relatividade Restrita, dando-lhe tal credibilidade que qualquer pessoa que duvidar dela será considerada louca. Cezar Lates, apesar  de ter sido o maior cientista brasileiro, foi considerado como louco por não acreditar na Relatividade.

 A Relatividade de Geraldo Cacique 

(A Relatividade Lógica)

 

Geraldo Cacique, em 1999, elaborou o modelo de Universo Lógico, cujas planilhas apresentavam resultados que conferiam com os dados fornecidos pela Astronomia. Nessas planilhas ele considerou que a velocidade dos fótons sofriam a influência da velocidade das galáxias. Ao explicar o modelo de Universo Lógico aos físicos, eles contestaram porque na física de Einstein a velocidade dos fótons não sofrem a influencia da velocidade das suas fontes.
Os resultados das planilhas eram tão convincentes que ele foi, pela primeira vez, estudar a Relatividade sabendo que ela deveria conter algum erro, pois, se a Relatividade estivesse certa, o modelo de Universo Lógico estaria errado.

 

 

 

 

A Relatividade Lógica é baseada:

Na lei da física:

 1 - Uma fonte aqui na Terra emite fótons em todas as direções com a mesma velocidade constante c para um observador também aqui na Terra.

 

 

 

A Relatividade Lógica foi deduzida do triângulo AB0B1

 

Maria está sentada ao lado de uma lâmpada que emite fótons em todas as direções.
Se uma nave está parada, ou seja, v = 0, na vertical de Maria, o fóton que atingirá a nave será aquele emitido na vertical, com a velocidade c, percorrendo a distância D, em um tempo t0.
Se a nave estiver com uma velocidade v ≠ 0, o fóton que atingirá a nave será aquele que percorrerá a distância L, com a velocidade c, em um tempo t. Nesse mesmo tempo a nave irá da posição B0 até B1, percorrendo a distância E, com velocidada v.

Geraldo Cacique, ao resolver o triângulo AB0B1, chega à fórmula do tempo da Relatividade Lógica .
As fórmulas da Relatividade do tempo são as mesmas, tanto para a Relatividade Lógica quanto para a Relatividade Restrita.

A diferença é que na Relatividade Lógica os tempos t0 e t foram medidos por um único relógio, o de Maria.

 

 

 

 

 

 

Interpretação da fórmula do tempo da Relatividade

Geraldo Cacique explica que o tempo t0 é menor que o tempo t na fórmula do tempo, quando existe uma velocidade v entre uma fonte de luz e o seu receptor, porque a trajetória do fóton D, quando v = 0, é menor do que a trajetória do fóton L, quando v ≠ 0.
Assim, Geraldo Cacique mostra que não existe a dilatação do tempo.

 

Velocidade da fonte

A Relatividade Lógica funciona como na física newtoniana, onde, para o observador para no referencial da fonte, a velocidade dos fótons é constante c. Já para o observador parado em relação à velocidade da fonte, a velocidade dos fótons é somada à velocidade da fonte.

 

Conseqüências da dilatação do tempo

 

Na Relatividade Lógica não existe a dilatação do tempo, portanto, não existe a contração dos espaços nem a quarta dimensão. Com isso a matemática da Relatividade Lógica fica muito mais simples do que a da Relatividade Restrita, facilitando o aprendizado dos iniciantes. A ausência da quarta dimensão faz com que o funcionamento do Universo seja mais fácil de ser entendido, pois até hoje a Ciência não sabe explicar com certeza nem a forma do Universo.

 

 

 

Credibilidade

 

Todos aqueles experimentos que provam a veracidade da Relatividade Restrita provam também a veracidade da Relatividade Lógica, pois a matemática das duas chega à mesma fórmula do tempo . A diferença está simplesmente nas interpretações dos resultados de tais experimentos. Assim, os físicos que começam a ler Deduções Lógicas simplesmente abandonam a teoria quando esta fala que os fótons sofrem a influência da velocidade das suas fontes. Isso é inaceitável para os físicos. A partir desse momento, eles não se interessam pelas explicações que Deduções Lógicas dá para esse fenômeno. No entanto, através da Internet, vários físicos já estão começando a aceitar, inclusive indicando o conteúdo do site para os seus alunos.

8 comments for "A Teoria da Relatividade - A Relatividade Restrita e a Relatividade Lógica.".

Rigor cientifico enviado por Visitante (não verificado(a))
É importante ler isto! enviado por Filipe Velosa (não verificado(a))
Sim td bem...mas vc ainda n enviado por Visitante
Tome um pouco mais de cuidado enviado por Visitante
Não existe dilatação do tempo enviado por Geraldo
Dilatação do tempo enviado por Visitante
Dilatação do tempo enviado por Geraldo
Tempo e relatividade enviado por Visitante

Comentarios

  • Se você gostou de Deduções Lógicas, ajude a divulgá-las, Curta e envie para seus amigos as nossas teorias pois como eu já disse são tantas e profundas as modificações que faço na física, que o conhecimento delas, levará ao homem uma fase extraordinária de progresso e de bem estar.

    Use os Botões abaixo


  • Esta pesquisa mostrará todas as páginas do site de Deduções Lógicas que possuem o termo digitado.

    Loading

    Usuários on line

    No momento há 1 usuário e 1 visitante online.